JULGAMENTO HISTÓRICO NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EM 01.12.2011

CLIQUE NOS LINKS PARA ASSISTIR O JULGAMENTO HISTÓRICO DE 01.12.2011

ESTAMOS DISPONIBILIZANDO OS LINKS DO YOU TUBE ENVIADOS PELO PROF. MANOEL AZEVEDO. É SÓ CLICAR E VERÁ OS VÁRIOS MOMENTOS DAQUELE HISTÓRICO JULGAMENTO.

Abaixo, respectivamente, estão os endereços no youtube das partes 1 de 5, 2 de 5, 3 de 5, 4 de 5 e 5 de 5 do vídeo do julgamento histórico no STF.

http://www.youtube.com/watch?v=w4DHkYcKpoo
http://www.youtube.com/watch?v=rRE6L0fu4Ks
http://www.youtube.com/watch?v=gQzH1FNS5Sg
http://www.youtube.com/watch?v=8FqTJqKrjww
http://www.youtube.com/watch?v=z1UKoALstcI

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

NOVO PROCURADOR GERAL DA PGE JÁ COMEÇA A MOSTRAR SUA PREDISPOSIÇÃO CONTRA O CUMPRIMENTO DAS ORDENS JUDICIAIS

EDIÇÃO DE HOJE, SEXTA FEIRA, DIA 30 DE JANEIRO DE 2015
QUERIDOS AMIGOS, QUERIDAS AMIGAS
(atualizado a 01:54 de 31.01.2015)

O novo procurador geral da PGE, Dr. Juvêncio Vasconcelos Viana, eminente professor da  Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, doutor em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (2002), já recomeçou a jornada de perseguições contra a nossa categoria. Em nosso poder a petição publicada hoje no site da quarta vara contendo 7(sete) páginas e seus anexos no total de 11 (onze) documentos. Por ser inviável sua publicação no blog, ela será enviada para as caixas postais cadastradas pelo professor Rodrigues.
A longa petição discorre sobre o bloqueio dos recursos em contas que abrigam convênios de contrapartida com o governo federal. 
Na página 3, tratando dos bloqueios,  vem a provocação mais contundente..."Em outras palavras, estaria o Poder Judiciário autorizando a prática de delito, uma vez que, dependendo da origem dos recursos (obtidos através de empréstimo, ou de previsão orçamentária) a sua aplicação em finalidade diversa daquela explicitada pelo convênio pode configurar crime contra o sistema financeiro (art. 20 da Lei nº 7.492/86) ou em crime de emprego irregular de verbas ou rendas públicas (art. 315, do Código Penal). 

A JUSTIÇA TRABALHISTA MERECE RESPEITO

Não é a justiça trabalhista que pratica delitos, crime contra o sistema financeiro e contra o Código Penal. Quem faz isso é o mesmo que persegue professores e descumpre decisões da justiça. E o pior de tudo é que permanece impune. Nem mesmo as multas impostas pela justiça do trabalho foram pagas. Além de trapaceiro é caloteiro.

A MESMA CANTILENA

É a mesma cantilena anterior e invoca inclusive a Constituição Federal (Art.167 X) para sustentar seu arrazoado. Diz o artigo 167: São vedados: 
X - a transferência voluntária... Dr., isto não é transferência voluntária. É uma medida coercitiva determinada pela justiça para obrigar o mau pagador a cumprir suas determinações.

CONHECIMENTO DO PROCESSO

 Sendo procurador da PGE há algum tempo, o Dr. Juvêncio deve conhecer minimamente o processo e saber que seu antecessor usou de todos os meios lícitos e ilícitos (a mentira, por exemplo) para descumprir  as decisões judiciais, provocou assédio processual e, com suas atitudes, perdeu todos os recursos em todas as instâncias e conquistou para o Estado do Ceará o título "honroso" de litigante de má fé.
Nas considerações finais diz, textualmente, o novo procurador:
3. DO PEDIDO
"Pelas razões expostas, pede e espera o Estado do Ceará, seja declarada a impossibilidade de utilização de valores oriundos de Acordo de Cooperação Técnica, firmado pelo estado do Ceará com a caixa Econômica Federal, para bloqueio e/ou penhoras em processos trabalhistas, bem como que seja determinada a consequente liberação desses valores em prol do Estado do Ceará ou a devolução dessas quantias por parte do sindicato reclamante, na eventualidade de equivocado recebimento de alvarás".

ANEXOS


OFÍCIO DO SECRETÁRIO IVO GOMES.
 OBSERVEM OS VALORES IRRISÓRIOS

Entre os anexos que subsidiam a petição está um interessante ofício do sr. Secretário das Cidades, Ivo Ferreira Gomes dirigido ao Secretário da fazenda sr. Carlos Mauro Benevides Filho solicitando a reposição das quantias bloqueadas em alguns dos convênios administrados por sua pasta. O ofício está publicado nesta edição . Observem que os valores bloqueados são mínimos e que se enquadram perfeitamente na contrapartida do Estado. Portanto, são recursos do Estado e não do Governo Federal. 
Não procede, portanto, a celeuma que o sr. Procurador pretende criar para tumultuar a execução.

AS CONTAS DO ESTADO

A propósito, causa-nos uma certa inquietação e carece de uma explicação convincente  o reiterado bloqueio feito em contas de convênios. Com absoluta certeza o Estado do Ceará possui outras contas disponíveis onde estão depositados os recursos próprios arrecadados através de taxas, impostos, etc. O secretário Mauro Filho sempre trabalhou com as burras cheias. 
Quem escolhe as contas que devem ser bloqueadas? Por que o gerente geral da Caixa Econômica, sr. FÚLVIO FRANKLYN LOPES BARBOSA, não indica o "caminho das pedras"? Qual é seu verdadeiro papel nessa questão dos bloqueios?
São essas indagações que devem ser respondidas por quem de direito. A nossa sofrida categoria não pode viver sobressaltos.

A SEFAZ 

Cabe à SEFAZ atender à solicitação do Secretário das Cidades para que os projetos não sofram solução de continuidade.

PETIÇÃO DO PROCURADOR 

Quanto à petição de estreia do novo Procurador esperamos que não seja acatada pela juíza executora. Afinal, já cansamos das manobras protelatórias da PGE. 
Uma perguntinha ao Dr. Procurador: não pode bloquear recursos das contas do governo para pagar dívidas trabalhistas, mas pode afrontar a justiça e promover terrorismo (devolver o dinheiro?) contra professores universitários (e o sr. também é professor universitário) que dedicaram os melhores anos de sua existência à sacrossanta causa da educação?
Ao final, queremos lamentar que um professor culto e de excelente titulação tenha trocado a saudável vivência da sala de aula por um ambiente de perseguição a serviço da causa ingrata de atormentar a vida de outros professores.

FIQUEMOS AGORA COM FRANK SINATRA E LIZA MINELLI CANTANDO NEW YORK, NEW YORK



NOSSAS ESTATÍSTICAS AO ENCERRAMENTO DA ATUALIZAÇÃO (01:40 h da matina de sábado, dia 31.01.2015):


Visualizações de página de hoje
88
Visualizações de página de ontem
678
Visualizações de página do mês passado

21.407
Histórico de todas as visualizações de página

783.571



quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

ATENÇÃO EXCLUÍDOS(AS): UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL. LEIA AS ATUALIZAÇÕES DO BLOG.

EDIÇÃO DE HOJE, QUINTA FEIRA, DIA 29 DE JANEIRO DE 2015
CARÍSSIMOS AMIGOS, CARÍSSIMAS AMIGAS
(ATUALIZADO ÀS 17:33 h. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO 21:33 h)

No dia de hoje foi publicada no site da primeira instância uma petição da defesa solicitando a inclusão de pensionista e de colegas que por um motivo qualquer não constavam nas planilhas de 2007.

Embora o site sugira a existência de 30 petições, reiteramos que se trata de apenas uma petição acompanhada de 29 anexos entre os quais figuram a procuração do SINDESP para a Dra. Glayddes Sindeaux, a exordial datada de 1992, o estatuto, as listagens originais de substituídos em papel listrado e alguns acórdãos do TST.

Esperamos que doravante haja o reconhecimentos dos direitos daqueles e daquelas que têm sido muito mais penalizados nesta longa espera pela concretização plena da justiça.
Daqui manifestamos, como sempre o fizemos, a nossa mais irrestrita solidariedade às pensionistas e aos demais excluídos.
A seguir o fac-símile da petição publicada no site da quarta vara (sem os anexos já mencionados):





ESTAMOS DE VOLTA (ás 17:47h) . MAIS UMA PUBLICAÇÃO NO SITE DA QUARTA VARA.
Trata-se de uma intimação ao Governo do Estado, através da PGE, cujo recebimento foi feito pelo procurador-chefe da Procuradoria Fiscal, sr. Ubiratan Ferreira de Andrade. Leiamos:

O mês de janeiro foi de atividades intensas e fevereiro promete mais. Voltaremos mais tarde.
Voltamos às 21:26 h para desejar a todos uma noite de paz e um bom descanso.

aviso do blog:
Os contracheques do mês de janeiro de 2015 já estão disponíveis no site da SEPLAG. Clique no link e cadastre-se.


FIQUEMOS AGORA COM A VOZ, FRANK SINATRA, INTERPRETANDO MY WAY PARA BONS ENTENDEDORES...


Nossas estatísticas aos 20 minutos de sexta feira, dia 30 de janeiro de 2015:

Visualizações de página de hoje
118
Visualizações de página de ontem
695
Visualizações de página do mês passado

21.004
Histórico de todas as visualizações de página
                                                                       

782.923

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

HOMENAGEM PÓSTUMA MERECIDA AO PROFESSOR CLEITON BATISTA VASCONCELOS

EDIÇÃO DE HOJE, QUARTA FEIRA, DIA 28 DE JANEIRO DE 2015
CARÍSSIMOS AMIGOS, CARÍSSIMAS AMIGAS

O prematuro desaparecimento do professor Cleiton Batista de Vasconcelos, morto no dia 25 de março de 2014 aos 54 anos, deixou uma lacuna impreenchível na Universidade Estadual do Ceará. Como professor fazia parte do grupo de Educação Matemática  uma corrente da qual participam em nosso estado a professora Gilvanise Pontes (UECE) e o professor Hermínio Borges Neto (UFC) entre outros. Ministrou aulas nos cursos de graduação e no curso de formação de professores do NECAD e foi o criador do laboratório de matemática da UECE.
Foi assessor da pró-Reitoria de Pós Graduação e Pesquisa onde coordenou o NURECE responsável por alguns cursos de pós-graduação latu sensu.
Na pro-Reitoria de Graduação atuou como coordenador das licenciaturas à distância.
Recentemente coordenava os cursos de matemática da UAB e presidia a Comissão Executiva do Vestibular.
A sua extremada dedicação à UECE fizeram-lhe negligenciar nos cuidados com a própria saúde acarretando-lhe danos irreparáveis,  consequências irreversíveis e o seu falecimento prematuro.
A sua imolação deixa um grande vácuo, mas também um legado de competência e dedicação à UECE e quase um ano decorrido de seu passamento ainda nos parece encontrá-lo na CEV, no BRADESCO ou debaixo das centenárias mangueiras a perguntar sobre o PISO SALARIAL:
- "E aí Telmo, estamos pobres ou ricos?"
- "Eh Cleiton, continuamos pobres! Com sua partida ficamos mais pobres ainda!!!"








Uece presta homenagem à memória do professor Cleiton Batista


A Comissão Executiva do Vestibular da Uece, situada no Campus do Itaperi, em Fortaleza prestou uma homenagem à memória do professor Cleiton Batista Vasconcelos. Ele dedicou parte de sua vida ao ensino da Matemática na Universidade Estadual do Ceará.
A homenagem consistiu na inauguração de um espaço na CEV/Uece, e na aposição do retrato do docente. O ato reuniu a comunidade acadêmica, familiares e amigos de Cleiton Batista, que morreu em março de 2014.
Homenageado
Cleiton Batista foi professor do Colegiado de Matemática, do Centro de Ciências e Tecnologia (CCT), apoiador estratégico das Licenciaturas à Distância, com destaque para a Licenciatura em Matemática, apoiador do Mestrado Profissional em Matemática (PROFMAT) e presidente da Comissão Executiva do Vestibular (CEV), por dois períodos.
(Foto – CEV/Uece)

Nota do blog: 
Lamentamos não ter comparecido à homenagem. A crise de labirintite não permitiu. 



Deu na mídia (para recordar) 

Morre no Rio a atriz Vanja Orico, a 'musa do Ciclo do Cangaço'

Ela lutava contra um câncer no intestino e teve falência múltipla de órgãos.
Atriz foi a única brasileira a atuar com o cineasta italiano Frederico Fellini.


Morreu nesta quarta-feira (28) no Rio, aos 85 anos, a cantora, atriz e cineasta Vanja Orico. Acometida por Alzheimer, ela ainda lutava contra um câncer de intestino e estava internada desde o dia 11 de janeiro. O enterro está previsto para esta quinta-feira (29), às 16h, no Cemitério São João Batista, Zona Sul do Rio.
Vanja se projetou no cenário artístico em 1953 ao interpretar a música Mulher Rendeira, tema do filme O Cangaceiro, de Lima Barreto. Ela acabou sendo consagrada como a musa do “Ciclo do Cangaço”, tendo participado de filmes como Lampião, O Rei do Cangaço e Jesuíno Brilhante, o Cangaceiro.

A artista carioca participou de mais de 20 filmes e foi a única atriz brasileira a atuar com o cineasta Frederico Fellini, na década de 50, no filme "Luci del Varietá" ("Mulheres e luzes").
Vanja Orico ajoelhada na via pública
 para impedir o avanço das
viaturas da repressão durante uma passeata

Vanja também teve participação notória durante a ditadura militar. Ela foi presa e torturada depois de interromper a ação de policiais durante o enterro do estudante Édson Luiz, morto pela repressão. "Não atirem, somos todos brasileiros", teria gritado Vanja aos policiais do regime.

FIQUEMOS AGORA COM VANJA ORICO INTERPRETANDO SODADE MEU BEM SODADE




terça-feira, 27 de janeiro de 2015

CORRUPÇÃO: ARTIGO DO PROFESSOR PÁDUA RAMOS

EDIÇÃO DE HOJE, SEGUNDA FEIRA, DIA 26 DE JANEIRO DE 2015
QUERIDOS AMIGOS, QUERIDAS AMIGAS

Embora não seja um fenômeno recente, a corrupção está na ordem do dia. Na nossa infância, nos idos de 1950,  vimos o verbete escrito pela primeira vez na propaganda de um candidato a governador do estado já falecido que se dizia "contra o roubo e a corrupção". Derrotado para o governo do estado foi eleito deputado federal e, pouco tempo depois, trocou o mandato por um cartório no Rio de Janeiro. Naquela época perguntei a minha mãe professora o que era corrupção. Em termos objetivos ela definiu: "corrupção é podridão". É este o conceito que firmei até os dias de hoje como a sua mais perfeita tradução.
Recebemos do colega professor Pádua Ramos o primoroso artigo que publicamos com prazer nesta postagem.

CORRUPÇÃO

Pádua Ramos

  
Aqueles que, nos anos cinquenta do século passado, acompanhavam os acontecimentos políticos, recordam-se de que a eloquência devastadora do jornalista Carlos Lacerda liderou a demolição do Governo Vargas agitando a bandeira da anticorrupção. Então se acreditava, e hoje volta-se a acreditar, que a corrupção se constituía e se constitui no maior problema do país. Em seguida, no seguimento da história, o verbo daquele jornalista voltou-se contra os governos de Juscelino e Jango, sempre sustentando a mesma bandeira.
   Embora ninguém, em sã consciência, deixe de sentir indignação diante da apropriação privada do dinheiro público, hoje se sabe, para lá de uma visão expressionista e impressionada, que o maior problema não é o da corrupção. Mas é sim o de todo um temário de questões sociais entrelaçadas, que passa pela cultura patrimonialista, pela pobreza extrema, pelo analfabetismo, pela insalubridade, pelo sofrimento das famílias menos favorecidas, – tudo se resumindo no apartheid inconfesso que divide este país em classes e em regiões.
***
   Não se diga que os paulistas sejam preconceituosos contra os nordestinos. Mas se diga sim que alguns deles – justamente destacados líderes – o são. O caso de FHC, em cujo governo se extinguiu a SUDENE e foram concebidos os “eixos nacionais de desenvolvimento”, segundo concepção avassaladora do conceito regionalista de Nordeste. Achara insuficiente transformar a SUDENE, que ele tratava como qualquer coisa, numa coisa qualquer: a ADENE. O caso de José Serra, de quem li alentada tese oposta à criação das zonas de processamento de exportações (zpe´s): espaços econômicos beneficiadores de produtos exportáveis, consoante uma das vocações de nossa economia regional. Elas só vieram a vingar porque nossa tese, de resto favorável ao desenvolvimento do país como um todo, contou com a adesão proativa de Delfim Netto, autor de emendas inteligentes ao projeto.
***
   O temário das questões sociais registra déficits, notadamente no tocante à educação, os quais remontam ao fundo dos tempos. E dão como resultante algo como uma “subcidadania”, entendida como tal o não-exercício, pelo cidadão, de sua prerrogativa de vigiar o desempenho dos homens públicos, assim criando o ambiente propício à corrupção, como subproduto de peso, mas subproduto. 
            A cultura de Carlos Lacerda foi durante certo tempo subordinada aos princípios marxistas, absolutamente. Não incorporava as luzes do marxismo, que existem, às outras luzes,  para a obtenção de uma visão totalizante e não parcial da História. Nem era, pois, mesmo assim, para sua atuação circunscrever-se a um aspecto, repita-se, grave do desenrolar da vida pública, de todo modo relativo. Admite-se que tenha sido sua aproximação com o pensador católico Alceu Amoroso Lima (Tristão de Ataíde) e por seu intermédio com os monges do Mosteiro de São Bento, a circunstância que o tenha feito acrescentar o espiritualismo ao seu anterior entendimento limitado da existência. Que o tenha feito elevar sua compreensão sociológica da vida dos povos. Daí vieram certamente desdobramentos de sua maneira de pensar, como a descoberta do arbítrio da pessoa humana como mais um fator que com outros se conjuga para a construção dos fatos. A consciência de que o homem comanda até certo ponto a faculdade de decidir e de agir terá aguçado em Carlos Lacerda a consciência de suas responsabilidades pessoais perante aquela quadra da História.  No novo panorama social visionado por Carlos Lacerda a corrupção ainda ocuparia espaço como detestável antivalor, mas não como dado avassalador dos demais segmentos da problemática social.
   Este novo Carlos Lacerda realizou, implicitamente, algo como um mea culpa, ao atravessar o Atlântico para, com humildade, dialogar com aquele mesmo Juscelino que tanto combatera, implacavelmente, como era de seu modo de ser. E tentar formar a Frente Ampla, esta sim, voltada para o valor supremo da democracia. Pagou preço decisivo por isso.
   Seguiu-se, àquela, sua visita a Jango, no Uruguai. Com o sentido ainda mais profundo de mea culpa, pois não só a este combatera, como igualmente combatera a Getúlio, ferozmente: a Getúlio, o patrono político de Jango.
***
   O processo civilizatório é lento. Por não se darem conta disso, numerosos brasileiros depreciam nosso País, comparativamente aos chamados países do primeiro mundo. Não percebem que, por exemplo, as nações europeias, ao percorrerem o roteiro que as levaria enfim ao atual patamar de civilidade, percorreram-no atravessando tragicamente guerras externas e guerras intestinas. Lembrando que uma delas se denominou “Guerra dos Cem Anos”; lembrando o derramamento de sangue da Revolução Francesa; lembrando que do lado de cá do Atlântico os Estados Unidos vivenciaram a sangrenta Guerra de Secessão, a qual se prolongou por cerca de quatro anos.
    Os conflitos bélicos, como se sabe, geram estados de necessidade – falta de energia, de água, de alimento, de remédio e assim por diante – levando ricos e pobres, compulsoriamente às vezes e pedagogicamente sempre, a se ajudarem em duas mãos, em conformidade com essa democracia do sofrimento compartilhado e, assim, quiçá amenizado. Incutindo em todos o senso da solidariedade, da disciplina, da coexistência equilibrada de deveres e de direitos, tudo valendo como elevado preço para alcançar o patamar da civilização.
    Proclama-se a toda hora que somos o País da impunidade. Como assim? Que dizer daquelas cenas nas quais apareceram Jáder Barbalho algemado, Paulo Maluf preso e a cúpula do PT na cadeia, para só citar estes exemplos entre tantos outros?
   O velho Carlos Lacerda esbravejava no interior da moldura da UDN – partido com vocação para o golpe, porque era uma corrente política sem povo. O povo nunca concedeu à UDN a oportunidade de assumir o poder. Carlos Lacerda, como se viu, mudou, sim. A UDN – velha, fascista, elitista, neoliberal, morta mas insepulta – não. Cabendo, porém, a ressalva honesta de que ali militaram também grandes homens, como Afonso Arinos, Prado Kelly e o Brigadeiro Eduardo Gomes. Este último era dotado de profunda espiritualidade. E se atribui a ele, no fim da vida, desgostoso por saber que se praticava tortura nos porões da Aeronáutica, o desabafo de que não criara a Força Aérea para abrigar torturadores.  
   O Brasil está parindo uma nova civilização tipicamente nacional brasileira, progressivamente, sem dar saltos, como a natureza. Trata-se de parto com dor, certamente, todavia como opção alternativa aos banhos de sangue constitutivos do preço pago pelas nações ditas civilizadas quando da conquista dramática da bonança dos dias de hoje.

   A Paz esteja conosco.




Antonio de Pádua Franco Ramos é advogado, administrador de empresas, escritor, professor titular aposentado da UECE. Ocupou vários cargos executivos nos Governos  dos Estados do Ceará e do Piaui e foi pro-Reitor de Planejamento da UECE.



Morre o cantor grego Demis Roussos


O cantor grego Demis Roussos morreu na noite de sábado (24), aos 68 anos, em Atenas, na Grécia, disse sua família nesta segunda. As informações são da agência Efe.
Emily, a filha do famoso músico conhecido, confirmou a notícia ao jornal francês "Le Figaro". Segundo a France Presse, ele morreu em um hospital particular. "Depois de ficar internado por um longo tempo no Hospital Igia, o conhecido artista Demis Roussos faleceu", diz a nota.
Roussos, que construiu grande parte de sua popularidade na França, inicialmente se destacou como integrante do grupo Aphrodite's Child e, depois, com sua carreira solo na década de 1980. (Do portal G1)
Para lembrar o extraordinário  cantor desaparecido fiquemos agora com 

HOMMAGE A DEMIS ROUSSOS:




E também 

Forever And Ever (Para Sempre e Sempre) 




Nossas estatísticas aos cinco minutos de terça feira, dia 27.01.2015


Visualizações de página de hoje
86
Visualizações de página de ontem
508
Visualizações de página do mês passado

20.334

Histórico de todas as visualizações de página

781.063



domingo, 25 de janeiro de 2015

ARTIGO DO PROFESSOR MOURÃO PUBLICADO NO JORNAL O POVO DE SÁBADO: E O PISO GOVERNADOR?

EDIÇÃO DE HOJE, DOMINGO, DIA 25 DE JANEIRO DE 2014
QUERIDOS AMIGOS,QUERIDAS AMIGAS


O professor Antonio Mourão Cavalcante, nosso colega da ação PISO SALARIAL, interpela o governador Camilo Santana em artigo publicado ontem no jornal O POVO.
Vamos degustá-lo:

ARTIGO 24/01/2015

E o piso governador?



O novo governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, iniciou seu mandato abrindo um diálogo construtivo naqueles pontos que parecem mais agudos em sua administração. Convocou encontro com os policiais de postura sempre conflitante com o governo passado. (Leia-se capitão Wagner). Convocou as lideranças dos professores das universidades estaduais – em greve – e prometeu realizar concurso o mais rápido possível. Condicionando-o ao encerramento da greve. Dito e feito.

Estas atitudes estão indicando um novo caminho a ser construído pelo gestor estadual. No lugar do confronto e desqualificação do interlocutor – “Não são policiais, mas um bando de marginais!” Lembram-se? – a compreensão que eles têm algo a dizer. Por isso, devem ser escutados. E, no caso da academia universitária, a prudência do diálogo, com o encaminhamento concreto do que impedia avançar. Como disse o capitão Wagner “não tem nem como comparar.”

Só gostaria, em aproveitando estes gestos de boa vontade do nóvel ocupante do Abolição, lembrar-lhe que há mais pepinos a descascar... Dentre eles: O piso dos professores das referidas universidades estaduais. Essa querela, que se tornou judicial, desde os tempos do doutor Tasso governador. Dura até hoje, quase 30 anos. Muitos dos que reivindicavam tal direito, já morreram. Todas as instâncias judiciais do país já se pronunciaram. É fato transitado em julgado. Não cabe mais qualquer recurso. Nem para frente, nem para trás. Resta pagar. E, o Governo do Estado como réu declarado, litigante de má fé, vem empurrando com a barriga. Sem motivo. Sem razão. Até o último dia ele se fez ouvidos de mercador... Muitos dos mestres já se aposentaram. E, não podem receber o que já ganharam em todas as instâncias judiciais. Nem uma greve é possível e o nosso sindicato apodreceu!

Camilo Santana teria a coragem de restaurar a justiça para com esses injustiçados? Somos igualmente professores. Somos legitimamente ganhadores de uma questão com o Estado. E hoje, sendo o primeiro governador do Partido dos Trabalhadores (PT) no Ceará, teria ânimo de resolver essa parada? Pelo que fez até agora, sem marketing exagerado, sem bravatas, nos anima acreditar que logo mais será a nossa vez. Será a concretização do adágio: a Justiça tarda, mas não falha!

Antonio Mourão Cavalcante
a_mourao@hotmail.com
Médico e antropólogo. Professor universitário

Fiquemos agora com o talento de Brianna Kahane ( 7 anos de idade) em  "Csardas"..

Nossas estatísticas aos 30 minutos de domingo, dia 25.01.2015


Visualizações de página de hoje
35
Visualizações de página de ontem
399
Visualizações de página do mês passado

20.066
Histórico de todas as visualizações de página

780.131

sábado, 24 de janeiro de 2015

SITUAÇÃO DO PROCESSO QUE TRAMITA NO TST: PARECER DO SUBPROCURADOR DO TRABALHO

EDIÇÃO DE HOJE, SÁBADO, DIA 24 DE JANEIRO DE 2015
QUERIDOS AMIGOS, QUERIDAS AMIGAS

O processo RO 0800075-69.2012 - MANDADO DE SEGURANÇA é uma reclamação protocolizada pela PGE  no TST sob a alegação de que o procurador não havia sido intimado quando da tramitação do RECURSO DE REVISTA naquela corte. Leiamos a sua tramitação recente no TST:

20/01/2015
Remetidos os Autos para Secretaria da Subseção II Especializada em Dissídios Individuais para redistribuir
11/12/2014
Conclusos para voto/decisão (Gabinete do Ministro Cláudio Mascarenhas Brandão)
11/12/2014
Recebidos os autos - retorno da Procuradoria Geral do Trabalho
01/12/2014
Remetidos os Autos para Procuradoria-Geral do Trabalho para emissão de parecer


O que nos causa estranheza é a sua remessa em 21.01.2015 para a Secretaria da Subseção II para redistribuir de vez que desde o dia 11.12.2014 já estava concluso para voto/decisão do Relator Ministro Claudio Mascarenhas Brandão.


Recebemos hoje do advogado Dr. Rodrigo Madeiro, filho da professora Lucimary Uchoa Madeiro, que há alguns anos acompanha o processo, o parecer da procuradoria Geral do Trabalho.

Nesta edição estamos publicando o despacho do Dr. Luiz da Silva Flores, Subprocurador Geral do Trabalho. 
Nas suas considerações finas o subprocurador é taxativo:
"Não assiste razão o inconformismo do Ente Publico.
O Regional entendeu conforme o disposto na Lei 11.409/2002 e na resolução nº 04/2012 do CSJT.
O procurador João Regis Nogueira, que estava devidamente cadastrado e credenciado no Pje-JT, foi intimado pelo portal de forma eletrônica, por meio de transmissão de arquivo digital.
Ante o exposto, opinamos pelo conhecimento e pelo desprovimento deste recurso ordinário"
Brasilia, 11 de dezembro de  2014
LUIZ DA SILVA FLORES
Subprocurador Geral do Trabalho

Nota do blog:
Este parecer nos tranquiliza. Aguardemos a manifestação do novo relator. Como diria o colega Pádua Valença: Bufo!

Fiquemos agora com Carly Simon interpretando  Moonlight Serenade imortalizada por Glenn Miller e sua orquestra. 
Saiba mais sobre Carly SimonGlenn Miller clicando nos links.


 E, porque hoje é sábado, fiquemos também com Nat King Cole interpretando FASCINATION.
Clique no link para saber mais sobre Nat King Cole.


Nossas estatísticas ao término desta edição - 01:16h de sábado:


Visualizações de página de hoje
74
Visualizações de página de ontem
565
Visualizações de página do mês passado

20.094
Histórico de todas as visualizações de página

779.771