JULGAMENTO HISTÓRICO NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EM 01.12.2011

CLIQUE NOS LINKS PARA ASSISTIR O JULGAMENTO HISTÓRICO DE 01.12.2011

ESTAMOS DISPONIBILIZANDO OS LINKS DO YOU TUBE ENVIADOS PELO PROF. MANOEL AZEVEDO. É SÓ CLICAR E VERÁ OS VÁRIOS MOMENTOS DAQUELE HISTÓRICO JULGAMENTO.

Abaixo, respectivamente, estão os endereços no youtube das partes 1 de 5, 2 de 5, 3 de 5, 4 de 5 e 5 de 5 do vídeo do julgamento histórico no STF.

http://www.youtube.com/watch?v=w4DHkYcKpoo
http://www.youtube.com/watch?v=rRE6L0fu4Ks
http://www.youtube.com/watch?v=gQzH1FNS5Sg
http://www.youtube.com/watch?v=8FqTJqKrjww
http://www.youtube.com/watch?v=z1UKoALstcI

sábado, 20 de maio de 2017

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

EDIÇÃO DE HOJE, SÁBADO, DIA 20 DE MAIO DE 2017
QUERIDOS AMIGOS, QUERIDAS AMIGAS

Durante oito anos do governo Cid Gomes participamos de várias audiências na PGE onde o procurador geral da época acenava com a possibilidade de um acordo. Nos anos de 2007/2008 a partir de uma decisão de assembleia geral foi protocolizada na PGE uma ata da referida assembleia com proposta de acordo. Aguardamos longos meses pela resposta do governo.
Algum tempo depois, acompanhado da deputada federal, Gorete Pereira e do prefeito de Guaramiranga o então presidente do SINDESP Luiz Boaventura, ouviu do próprio governador Cid Gomes que o procurador geral Fernando Oliveira nunca havia tratado com ele sobre um possível acordo.
Anos mais tarde, na sala do Desembargador Jefferson Quesado, o ex-governador Cid Gomes propôs um "acordo" e até enviou uma proposta por escrito. Depois de algum tempo, nada mais foi falado sobre o assunto.
Estas informações estão sendo postas para reavivar a memória de todos. Na verdade o governo nunca quis acordo. A PGE usou manobras para postergar o cumprimento das decisões judiciais.
O estado do Ceará sempre teve condições financeiras para reimplantar o PISO SALARIAL. Nos últimos anos, o gestor Cid Gomes desperdiçou somas impressionante com a construção de um acquário, que nunca foi prioridade para o estado e com a compra de equipamentos que estão sendo consumidos pela corrosão. E, através de chicanas, usou falsos argumentos de grandes dificuldades financeiras para descumprir as ordens da justiça. 
A prática desonesta de sofismar, mentir  e apresentar falsos argumentos nas apelações feitas nas cortes de justiça persiste até hoje com o atual governador. E, às vezes, essas apelações mentirosas acabam sendo aceitas por setores da justiça como está ocorrendo atualmente,
Leiamos aqui o artigo do  economista  José Nilton Mariano Saraiva, revelador de uma das irresponsabilidades do governo Cid Gomes (apenas a ponta do iceberg)   que nos foi enviado pelo colega Nonato Cavalcante.


OS “TATUZÕES” DO CID GOMES – José Nílton Mariano Saraiva

Quando o “agente público” se dispõe a contratar, a peso de ouro, uma grande construtora para a realização de obras estruturais de porte (hidrelétricas, rodovias, usinas, ferrovias, metrôs e por aí vai), implícita e explicitamente se pactua a responsabilidade da contratada em prover não só os recursos humanos especializados, mas, principalmente, todo o equipamento pesado e necessário para a consecução do planejado. É assim (ou deveria ser) em todo lugar do mundo (aqui ou na China): construtoras de nome e porte são proprietárias e/ou tratam de alugar toda a parafernália a ser usada em tais projetos.

Só que, no Estado do Ceará, quando da gestão dos megalomaníacos irmãos Ferreira Gomes, a coisa não funcionou bem assim. E a prova da irresponsabilidade nos é dada agora, quando tomamos conhecimento da herança maldita deixada pelo ex-governador Cid Ferreira Gomes para o seu afilhado político e sucessor Camilo Santana: o “rico” Estado do Ceará – é vero, senhores, acreditem – “torrou” incríveis e exorbitantes R$ 135.000.000,00 (cento e trinta e cinco milhões de reais) com a compra de dois “tatuzões”, maquinário que será utilizado (tão única e exclusivamente) na construção da linha leste do metrô de Fortaleza.

Há que se levar em conta, a fim que tenhamos condição de imaginar a dimensão da verdadeira “insanidade” perpetrada pelo então governador do Estado, que, à época, além do “preço galático” de tão sofisticado equipamento, estranhamente “pequenos-grandes” detalhes foram “esquecidos” ou desconsiderados, a saber:

01) para manobrar/operacionalizar tais equipamentos, obrigatoriamente serão necessários dezenas de “técnicos especializados” e, consequentemente, hiper bem remunerados, onerando sobremaneira o já combalido orçamento estadual (comenta-se, inclusive, que no mercado interno não existe disponível tal profissional, tornando-se necessário buscá-los lá fora);

02) até a “vovozinha de Taubaté” (a milhares de quilômetros daqui) sabe que, na atualidade, o Estado do Ceará não tem a mínima condição de suprir a energia elétrica (e até a própria “voltagem”) a ser usada para acionar referidas máquinas, o que, em termos práticos, significa que o tal maquinário simplesmente não poderá sequer ser ligado na "tomada de três pinos” (alardeada por Ciro Gomes); e, finalmente,

03) se algum dia, num futuro distante, tal equipamento tiver condição de ser utilizado, mesmo que por breve período, é perfeitamente factível questionar qual a destinação que lhe será dada “a posteriori”, na perspectiva de que Fortaleza não terá tão cedo condição (econômico-financeira) de comportar/construir linhas de metrô a torto e a direito.

Alfim, embora saibamos seja o senhor Cid Ferreira Gomes graduado em Engenharia Civil (embora nunca tenha projetado ou sequer erguido uma banal choupana de taipa), é perfeitamente admissível deduzirmos tenha o então “gestor” Cid Ferreira Gomes, ante tão esdrúxula decisão e gasto, incorrido e praticado grave ato de “improbidade administrativa”, porquanto comprovadamente perdulário no uso do dinheiro público, já que desconsiderando a “inoportunidade” e “desnecessidade” de importar equipamento tão sofisticado e de uso temporal, num Estado onde recorrente e persistentemente grassa a fome e a sede.

Assim, face à deficitária (ou inexistente) relação “custo-benefício” implícita em sua aquisição, os onerosos e inoperantes “tatuzões” do Cid Gomes tenderão a se tornar, ao longo do tempo, símbolos imóveis, desgastados e emblemáticos do descaso e desrespeito para com a sociedade e à seriedade.

Verdadeiros monumentos à insensatez e ao descaso.

 José Nilton Mariano Saraiva 
(Economista UFC e Aposentado do BNB)

Fiquemos agora com Gilbert Becaud



2 comentários:

Fernando Furtado disse...

No blog do jornal o povo: "A delação premiada do empresário Wesley Batista, um dos sócios da JBS, aponta os cearenses Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (PMDB), como beneficiários de propina".

Valdeneide Carvalho disse...

Muito lindo isso pra o Ceará. E devem aparecer mais filhotes mamando.