JULGAMENTO HISTÓRICO NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EM 01.12.2011

CLIQUE NOS LINKS PARA ASSISTIR O JULGAMENTO HISTÓRICO DE 01.12.2011

ESTAMOS DISPONIBILIZANDO OS LINKS DO YOU TUBE ENVIADOS PELO PROF. MANOEL AZEVEDO. É SÓ CLICAR E VERÁ OS VÁRIOS MOMENTOS DAQUELE HISTÓRICO JULGAMENTO.

Abaixo, respectivamente, estão os endereços no youtube das partes 1 de 5, 2 de 5, 3 de 5, 4 de 5 e 5 de 5 do vídeo do julgamento histórico no STF.

http://www.youtube.com/watch?v=w4DHkYcKpoo
http://www.youtube.com/watch?v=rRE6L0fu4Ks
http://www.youtube.com/watch?v=gQzH1FNS5Sg
http://www.youtube.com/watch?v=8FqTJqKrjww
http://www.youtube.com/watch?v=z1UKoALstcI

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

UECE, NA CONTRAMÃO DA HISTÓRIA, DIFICULTA A ENTREGA DAS FICHAS FINANCEIRAS COMPLETAS AO SINDESP

EDIÇÃO DE HOJE, SEXTA-FEIRA, DIA 30 DE SETEMBRO DE 2016
QUERIDOS AMIGOS, QUERIDAS AMIGAS
Há dias o SINDESP, através de seu presidente Gilberto Leitão, protocolizou petição requerendo ao DEPES da UECE as fichas financeiras de seus associados que integram o processo do PISO SALARIAL.
A iniciativa foi tomada com a finalidade de organizar a demanda evitando a ida de cada colega àquele departamento. As fichas financeiras são os elementos indispensáveis para os cálculos de nossos direitos creditórios e o posterior registro de precatórios.
No dia de ontem o professor Gilberto Leitão esteve na UECE para verificar as providências relativas ao seu requerimento quando foi informado de um documento dirigido ao ao advogado Tibério de Maracaba Menezes que limitava entrega das fichas financeiras ao período compreendido entre os anos de 2011 e 2016.
O documento publicado abaixo pode revelar má-vontade, o desconhecimento ou  a indisposição da Procuradoria Jurídica que reconhece o direito a informação e até menciona o inciso XXXIII do artigo 52 da Constituição Federal. Preferimos, no entanto, uma hipótese: a PROJUR entendeu que as fichas anteriores já não existiam.
As fichas financeiras anteriores a esse período se encontram arquivadas nas pastas de cada professor. Não foram extraviadas. E nós não estamos solicitando nenhum absurdo.
Há menos de um mês o professor Antonio Vasques peticionou e recebeu suas fichas financeiras desde o inicio de sua contratação na UECE até os dias atuais. Alguns dias depois também requeri e recebi, por e-mail, as minhas fichas financeiras e recebi a partir de 1990. As anteriores de 1986 quando entrei na UECE até 1989 foi pedidas pelo SINDESP que não mais as devolveu.
Lamentamos que a argumentação frágil e insustentável da Procuradoria Jurídica, desconhecendo a existência das fichas financeiras nas pastas individuais dos professores,   subscrita pela advogada Roberta Nunes, tenha induzido o nobre professor Hidelbrando dos Santos Soares ao erro na homologação do parecer.
Esse fato insólito representa uma grande perda de tempo e um atraso considerável nos cálculos de nossos direitos creditórios.
Vamos trabalhar para reverter essa situação junto a reitoria acreditando no bom senso e na lucidez do Magnífico Reitor ou de seu substituto eventual professor Hidelbrando,
Abaixo a cópia do despacho da PROJUR da UECE:



FIQUEMOS AGORA COM CAETANO VELOSO INTERPRETANDO VOCÊ NÃO ME ENSINOU A TE ESQUECER PARA ALGUÉM QUE FAZ A DIFERENÇA NESTE MUNDO.






Visualizações de página de hoje
97
Visualizações de página de ontem
600
Visualizações de página do mês passado

15.815
Histórico de todas as visualizações de página

1.058.724
TENHAM TODOS UM BOM DIA!!!

3 comentários:

Clodenir Ponciano disse...

Podemos pedir judicialmente as fichas financeiras.

Antonio Vasques disse...

Prezado Telmo,
As nossas fichas financeiras estão digitalizadas em pdf de 1990 a 2016.
Um simples toque na tecla enter faria com que, em segundos, o acervo fosse transferido rapidamente para o computador do Sindesp.
O período de 1986 a 1989 é totalmente irrelevante para o cálculo dos direitos creditórios.
No meu caso representou apenas 0,000003428571429% ou seja, valor próximo a zero.
Uma visita da diretoria junto à reitoria resolveria o problema
Simples questão de bom senso
O que me entristece é saber que o SINDESP,após a posse da Diretoria Provisória, não alugou uma simples sala e não tem computador .
Sinto vergonha em dizer que, além do controle da conta bancária, nada de relevante foi realizado em favor da categoria
É absolutamente necessária a convocação URGENTE de uma Assembléia Geral Extraordinária para :
Faz mais de 3 semanas que o contador fez os cálculos de meus direitos creditórios.
Faz 2 semanas que o apresentei à nossa advogada.
Tudo no intuito de agilizar os cálculos de nossos precatórios futuros
Ao que saiba, a Ida do contador com nossa advogada ao TRT ainda não foi concretizada
Enquanto isso a nova Diretoria está autista sobre este e outros diversos assuntos que passo a relembrar :
A) demissão do grande quadro de funcionários que estão recebendo sem trabalhar, consumindo mais da metade das receitas ;
B) busca e apreensão de veículo;
C) aluguel de uma sala para funcionamento do sindicato;
D) contato com o TRT para a reimplantação do piso e retomada dos bloqueios;
E) auditoria nas contas e adoção de medidas judiciais para apuração de responsabilidades;
F) contratação do contador e remessa das fichas financeiras para apuração dos direitos creditório dos colegas
Repito:Sugiro a URGENTE convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária para prestação de contas e apresentação das soluções para os problemas acima apontados
Tempus fugit!

Pos Prev disse...

Boa noite, prezado Professor Gilberto Telmo.
Sempre acompanho seu trabalho combatente e incansável, uma luta pelos direitos não só seus, mas por todos os professores que fazem parte deste moroso processo referente ao Piso Salarial.

Fiquei deveras incomodado com a justificativa inconclusiva do nobre representante jurídico da Funece/UECE, querendo impor a culpa por entraves desta dantesca instituição em suas irresponsabilidades, não justificasse nem mesmos nos artigos ora citados em suas alegações.

Então, no intuito de esclarecer os fatos, me dirigi à UECE como advogado para, em nome de minha mãe Francisca Maria de Maracaba Menezes, de meu pai Danilo Costa Menezes, já falecido, e de minha avó Francisca Zeneida Guerreiro, com as devidas procurações, requerer as fichas financeiras que seriam necessárias, que, inclusive, todos que fazem parte do processo irão ter que fazer.

Como advogado, então, tomei a frente, o que faço comumente em meu trabalho para meus clientes. Entretanto, apesar de orientado pelo Sr. Aldízio, para que efetuasse o devido protocolo, fui surpreendido por este entrevero, como se eu, o Advogado Tibério de Maracaba Menezes, fosse culpado da burocracia causada pela instituição, o que é uma colocação absurda, inadequada e em nada tem a ver com a causa em si, tendo em vista que não represento uma classe, mas apenas o direito de três pessoas da minha família.

Mas, não esmoreça, nobre professor Gilberto! Tenha certeza que estamos juntos e diligentes para que a justiça prevaleça diante das desarrazoadas decisões proferidas, bem como as justas não cumpridas, terminemos com o devido cumprimento da Implantação do Piso e seus devidos reflexos, os precatórios.

Continuarei na luta como advogado, pelo direito de meus representados, meus familiares, bem como os que por ventura precisem do meu patrocínio.